Saúde

Adolescência: algumas intercorrências

Comentário(s) 26 novembro 2015

Samira Bana

Samira Bana

Engana-se quem pensa que a ca­racterística de problemas na adoles­cência esteja só relacio­nada a drogas, bebidas, comportamento inade­quado, como crises de agressividade, impul­sividade sem controle etc. Aquele jovem bon­zinho, bom aluno, que não arruma brigas, não experimenta drogas nem bebidas pode es­tar apresentando difi­culdades tão graves ou maiores que o adoles­cente que externaliza em comportamentos inadequados.

Ser quieto, bonzinho, cordato, educado etc não atesta sanidade mental a ninguém. Mui­tas vezes, por trás de comportamentos muito introvertidos podem estar escondidas pato­logias sérias, como quadros depressivos pró­prios do período da adolescência, patologias mais graves como as esquizofrenias, quadros graves obsessivos e inibições .

Normalmente, são indivíduos que não chamaram a atenção em seus primeiros anos de vida e infância propriamente dita, mas no auge da adolescência muitas vezes se caracterizam por uma grande inibição do comportamento, não se relacionam social­mente, têm grande dificuldade em interagir com o meio que frequentam e passam gran­de parte de seu tempo encerrados em seus quartos ou em um outro cômodo da casa, muitas vezes trocan­do o dia pela noite, as­sim como seu único in­teresse são jogos virtu­ais, ou seja, atividades que tenha contato só com ele próprio.

A adolescência sem­pre se caracterizou com um período de crise, desde que o mundo é mundo. O que muda são os estereótipos de comportamento, pois o importante é com­preender que assim como um automóvel às vezes precisa de re­call logo após a fabrica­ção, a criança também muitas vezes neces­sita de uma intervenção. Da mesma forma, quando nasce um bebê, ele passará por to­do um desenvolvimento e conforme sua he­rança genética, condicões de seu ambiente, sua constituição familiar, isso poderá gerar ou não um problema.

As causas importantes que podem incre­mentar a adolescência são situações de risco como abandono, drogadição da mãe, carên­cia de atenção e afeto, ambientes de grandes conflitos em que o bebê conviva, enfim uma série de condições que já apontam para um caminho mais comprometido que a criança terá que elaborar no transcorrer de seu de­senvolvimento.

Samira Bana é psicóloga e psicanalista (CRP 06-8849).
Contato: 11-4586-7281

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica