Saúde

Ansiedade x obesidade infantil

Comentário(s) 29 maio 2015

Samira Bana

Samira Bana

As ansiedades fazem parte da psique de qualquer indivíduo, seja ele crian­ça, adulto ou adolescente. Podemos entender as ansiedades como uma respos­ta da mente, um sinal de alerta de que al­go se passa a nível mental e não está bem e, em algumas circunstâncias, é vivido co­mo ameaça.

Existem expressões de ansiedade – um in­divíduo que, diante de uma entrevista de em­prego na sala de espera começa a ter sudo­rese, ou que em um congestionamento pas­sa a ficar tenso com palpitações –, mas o que diferencia se essa ansiedade é patológica ou não, se poderá causar sintomas, é como se li­da com ela, e a frequência com que esses epi­sódios de ansiedade aparecem.

Com uma criança não é diferente. As an­siedades fazem parte de seu mundo mental e se algo não está bem e sua capacidade de resolver as situações deixa a desejar, essa an­siedade pode gerar um problema. Situações muito primitivas podem favorecer o apare­cimento de patologias, como as de ordem psicossomática, as que têm origem em pro­blemas respiratórios, problemas intestinais e também as relacionadas a problemas ali­mentares, como a obesidade infantil.

A obesidade infantil não é algo novo. O que ocorre é que na atualidade ela vem receben­do maior atenção, pois a sociedade apresenta um nível de complexidade maior – as mães, em função da correria do dia a dia e pela pra­ticidade, muitas vezes adotam uma condu­ta do fast food, a comida rápida, além de que os apelos pelo sabor do prazer estão muito mais desenvolvidos do que há décadas atrás. Hoje, as crianças são muito mais sedentárias, o que muitas vezes as impede de ter noção de seu cor­po e suas possibili­dades de explorar os espaços.

O problema é quando isso sai do controle, a busca pelo prazer na co­mida passa a ser um fim em si e a co­mida vira um vício. A fome biológica não con­ta e sim só a fome psicológica – come-se para aliviar as angústias, preencher vazios, ocupar o tempo e obter satisfação e prazer na inges­tão de alimentos. Os pais conseguem identi­ficar isso, ao observar que a criança em ca­sa não consegue se entreter com nada e está o tempo todo comendo sem parar, tem sem­pre algo nas mãos (salgadinhos, chocolates e outras guloseimas), a ponto de ela própria não reconhecer a fome biológica.

É difícil reconhecer qual é a ansiedade pro­pulsora de tudo isso, mas é importante quan­do os pais conseguem se aperceber de que al­go não vai bem. É parecido, mais ou menos, quando uma criança apresenta febre – mui­tas vezes não se sabe o que provocou, mas nem por isso ela deixará de ser medicada.

A ajuda poderá vir de um pediatra ou um nutricionista. Depois de examinada a crian­ça e constatatadas que as dificuldades são de ordens emocionais, outro tipo de ajuda pode ser buscada, como a psicológica.

Samira Bana é psicóloga e psicanalista (CRP 06-8.849). Tel.: 11-4586-7281

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica