Estética

Assumindo os cabelos crespos e chacheados

Comentário(s) 25 janeiro 2017

cabelo crespo

Aceitação e libertação. As mulheres estão se sentindo mais poderosas ao explorar sua ​real ​beleza. Cada vez mais, mulheres abandonam tratamentos químicos de alisamento de cabelos e assumem seus cachos naturais. Entretanto, apesar dessa atitude de autoafirmação elevar a autoestima, manter esse look requer cuidados específicos e uma correta utilização dos produtos desenvolvidos para este fim.

Ana Catarina Cizilio sempre foi incomodada com seus cachos. Por isso se submetia a escovas progressivas e relaxamentos, pois não conseguia encontrar um meio de deixá-los da forma como gostaria. “Minha mãe é a única pessoa da minha família com o cabelo cacheado, porém, também alisava. Além disso, todas as minhas amigas tinham cabelo liso e as revistas que eu acompanhava, não ajudavam. Eu não tinha um exemplo pra seguir perto de mim”, conta.

Para ela, isso só mudou recentemente. “Entrei em transição quando comecei a ter muito problema de saúde por causa do formol e da progressiva. Dores de cabeça fortíssimas, cabelo caindo em excesso e muita caspa visível. Assim, abandonei essa ideia e comecei a aceitar o meu cabelo natural. Todo o cuidado e segurança em minha decisão vieram depois de conversar com muitas meninas com características semelhantes as minhas”, lembra. Vale destacar, contudo, que os cuidados não são poucos. Engana-se quem pensa que para manter um cabelo crespo saudável não seja necessário investir em produtos e incorporar hábitos indispensáveis à rotina.

Com intuito de trocar experiências sobre o assunto, Ana Catarina se juntou a um grupo e criou o “Cacheia” – um blog com dicas para madeixas crespas, onduladas e, claro, cacheadas.

Transição capilar

De acordo com a farmacêutica da Fina Flor, que desenvolveu uma linha completa para as mulheres que estão em transição,Thaís Beatriz, o processo de recuperação dos fios é lento e exige paciência e determinação. “Como recuperar a estrutura natural dos cabelos e voltar a ter os cachos lindos e poderosos se alisamentos químicos são irreversíveis? Aquele momento crítico em que parte do cabelo encontra-se natural, e parte ainda permanece quimicamente tratado, é conhecido como transição capilar”, esclarece. Ainda segundo a especialista, é um momento delicado, não só na questão dos cuidados, mas também, em relação à autoestima. “Vai muito além do cabelo. É um processo de recuperação ou até mesmo ​de re​descoberta da identidade”, ​acrescenta​.

O processo de transição da pedagoga Tatiana Ribeiro da Silva começou a partir da insatisfação causada pelos danos da química, do relaxamento e da tintura. “Após anos usando estes produtos, os fios ficaram com aspecto emborrachado e começaram a cair. Revendo fotos do passado, percebi como meu cabelo natural era bonito. Dessa forma, providenciei um corte bem baixinho retirando toda química do cabelo e a parte mal tratada”, relembra. Foi quando Tatiana conheceu uma cabeleireira disposta a ajudar neste processo de transição.

Como cuidar

Segundo Thaís o fio de cabelo cacheado e em transição é um fio que tem dificuldade para que a oleosidade natural chegue até suas pontas; assim, esta se concentra na raiz tornando as pontas secas. “Para corrigir este efeito, torna-se necessário lavar os cabelos com shampoo suave para evitar o efeito rebote, ou seja, quanto mais agressivamente retirar a oleosidade natural, mais as glândulas sebáceas produzirão oleosidade que ficarão retidas na própria raiz do cabelo”, explica ela. Além disso, durante o processo de transição existe grande diferença de texturas entre a raiz e as pontas dos fios. Logo, os cabelos precisam ser condicionados de maneira uniforme.

A farmacêutica frisa, ainda, que o couro cabeludo e suas células, tantas vezes negligenciados em prol dos tratamentos químicos, reduzem a capacidade de oxigenação e seu metabolismo, retardando assim o crescimento dos fios. Mais do que isso, a estrutura capilar torna-se ressecada e sem brilho, exigindo um tratamento com multivitaminas.

“Nessa lógica, a parte do cabelo que ainda possui química, geralmente está mais fina, espigada e com volume descontrolado”, ressalta Thais. “Neste caso, recomenda-se uma boa nutrição para repor as necessidades lipídicas e recompor a estrutura. O ponto de encontro entre o liso e o cacho/crespo é crítico, podendo ocorrer quebras e ruptura dos fios”. Ela explica que o cabelo se torna poroso e não consegue refratar a luz, tornando-se sem brilho. Assim é fundamental o uso de produtos que façam uma reconstrução completa.

Durante a transição, a modelagem dos cachos torna-se difícil. ​Logo, a utilização de um bom creme de pentear que auxilie no processo de fitagem, sem deixar os cabelos pesados e embaçados, que​ seja facilmente retirado ​e​ sem o uso de sulfatos, é essencial. “No caso das crespas, o creme de pentear pode ser usado para deixar os cabelos macios e com o volume desejado, de acordo com a forma de aplicação”, alerta a farmacêutica.

Outro complicador que afeta a vida das cacheadas e crespas, é o atrito entre os cabelos e o travesseiro durante a noite. Esse atrito aumenta a estática dos fios, fazendo com que amanheçam eletrizados e amassados. Como não dá para lavá-los todos os dias, é necessário um ​bom ​creme para modelá-los. O uso de fronhas de cetim também ajuda a amenizar este inconveniente.

Para enfrentar com determinação todo este processo é imprescindível que a pessoa siga um cronograma capilar. Esse cronograma vai determinar os dias para cada etapa do procedimento: nutrição, hidratação e restauração.

 

 

 

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica