Saúde

Atividades domésticas exigem atenção redobrada com as mãos

Comentário(s) 27 agosto 2015

facaMuitas atividades simples do dia a dia, como comer, trocar de roupa, trabalhar, digitar, cozinhar ou dirigir, requerem certo esforço das mãos. Sem elas, torna-se quase impossível ou muito trabalhoso realizar determinadas ações. Mas será que elas recebem os devidos cuidados em todas as fases da vida? As lesões nas mãos acometem todas as faixas etárias e podem ocorrer no ambiente doméstico, no trabalho e até mesmo em atividades de lazer.

Os adultos, principalmente por conta das atividades domésticas, estão mais expostos a contusões, cortes, queimaduras e fraturas, seja cozinhando, cortando alimentos, passando roupa ou limpando a casa. “Vale como regra sempre realizar essas tarefas de forma atenta. Cansaço, pressa e despreparo são fatores que favorecem acidentes”, alerta o cirurgião das mãos da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, dr. Mário Moscalcoff. O especialista também dá outras dicas para evitar acidentes com as mãos:

Adultos

- É importante sempre usar luvas nos trabalhos realizados na cozinha e banheiro;

- Ao lavar louça, evite bacias cheias de água com objetos cortantes dentro das mesmas, pois podem não ser vistos;

- Ao usar faca para cortar nunca a deslize contra aquilo que você não quer cortar (sua mão, por exemplo) e sim no sentido contrário;

- Se algo estiver caindo é melhor se afastar e deixar cair do que tentar pegá-lo. É nessa tentativa que muitos cortes e queimaduras graves ocorrem;

- Escadas devem ter corrimãos e, eventualmente, lixa nos degraus; em especial em casas habitadas por crianças e idosos; De acordo com Moscalcoff, cerca de 70 a 80% dos acidentes com idosos ocorrem no lar;

- Banheiros de casa com idosos ou pessoas com deficiências devem ter barras de apoio no box   e ao redor do vaso sanitário. Tapetes de banheiro devem ser evitados ou ter anti-deslizantes.

- As casas devem ser bem iluminadas, para prevenir quedas. Queda doméstica é uma das causas mais comuns de fratura do punho. Ela corresponde a cerca de 1/6 das fraturas tratadas em serviços de urgência.

Crianças

Os pequenos também são alvos de acidentes no lar. De acordo com o ortopedista, cerca de 40% de todas as fraturas em crianças acometem o antebraço e, dessas, 60% são no punho. “Após o tratamento é possível alcançar uma boa função do órgão, mas esse tipo de lesão pode deixar alguma sequela”. Assim, cuidados especiais em casa com crianças incluem:

- Redes de proteção em janelas, vãos e sacadas, grades a beira de escadas, portões bloqueando escadas;

- Corrimãos e lixas em degraus;

- Evitar chão muito liso;

- Instalar protetores de tomadas;

- Elevar enfeites de materiais quebráveis, como o vidro;

- Colocar bloqueadores de porta para evitar que ela bata e pegue os dedos da criança. Cabe lembrar que uma das principais causas de amputação na primeira infância é esmagamento de dedos em portas;

- Não deixar ferro quente ao alcance;

- Virar os cabos das panelas para a parte de dentro do fogão;

- Usar copos de plástico;

- Não permitir que manipulem objetos cortantes.

Tratamentos

Os tratamentos das lesões de mão e punho, frequentemente, são dolorosos e longos. Em alguns casos graves, como grandes esmagamentos, é necessária a amputação do membro. No entanto, a maioria das lesões tem tratamento satisfatório com bons resultados.

No caso de fraturas, é possível realizar o tratamento por meio cirúrgico ou não cirúrgico, conforme o caso. Já as queimaduras e lesões de pele podem ser tratadas com curativos, suturas, enxertos ou retalhos. “É importante ressaltar que um bom resultado não quer dizer necessariamente restabelecimento perfeito. Por isso, em caso de acidentes procure um especialista. O cirurgião é plenamente capaz de avaliar a gravidade do caso e saber o que é possível ser feito para que o paciente tenha o melhor resultado possível. Mas, devemos sempre lembrar que o melhor tratamento é a prevenção”, explica o ortopedista.

 

 

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica