Saúde

Aulas de alongamento e relaxamento: instrumentos do bem-estar

Comentário(s) 13 outubro 2016

Benê Camargo

Benê Camargo

A maioria das pessoas sabe que fazer exercício é muito importante para fortalecer a musculatura e evitar le­sões. No entanto, com qual frequência você se lembra de fazer alongamentos antes ou depois dos exercícios físicos? E ao longo do dia, ao acordar ou ao deitar?

Tão essencial para o nosso corpo quanto o exercício físico, o alongamento não preci­sa ser exaustivo, dolorido, nem ter longa du­ração. Pesquisa realizada pela Universidade Federal de São Carlos comprovou que alon­gar sem usar carga, mantendo durante 60 segundos, com intervalos de 30 segundos, é capaz de aumentar o comprimento e a mas­sa dos músculos.

Alongar-se regularmente, além de relaxar, traz uma série de outros benefícios ao corpo: os alongamentos são exercícios voltados pa­ra aumentar a flexibilidade muscular, promo­vendo o estiramento das fibras musculares. Alongar é fundamental para o corpo e para toda a estrutura musculoesquelética, pro­porciona mais agilidade e elasticidade, pre­para a musculatura para um melhor desem­penho na atividade física ou para aguentar os desgastes do dia a dia.

Os alongamentos devem progredir de ma­neira crescente. Nas primeiras vezes, princi­palmente para as pessoas mais sedentárias, alongar é mais difícil. Mas, depois de algum tempo, os movimentos se tornam mais fáceis, e têm um efeito ainda mais compensador.

Ao contrário do que muitos pensam, o alongamento não está ligado apenas à práti­ca de exercícios físicos. É preciso alongar-se ao acordar, no trabalho, no trânsito, antes de dormir, enfim, em todos os momentos do dia. O alongamento pode e deve ser praticado por crianças, jovens, adultos e idosos.

Benefícios do alongamento: melhora a circulação sanguínea, diminui as tensões muscula­res, produz sensações de relaxa­mento, am­plia a cons­ciência cor­poral, me­lhora a fle­xibilidade, previne lesões.

Relaxar e respirar

Tão importante quanto alongar-se é res­pirar corretamente. Na correria do dia a dia as pessoas não se preocupam com a respi­ração. A vida sedentária aliada ao estresse e à ansiedade implica diretamente na respira­ção, que se tornou mais rápida, curta e feita geralmente pelo tórax.

A respiração torácica leva menos oxigênio ao organismo, além de agravar os sintomas da ansiedade e do estresse, pois a respiração rápida aumenta os batimentos cardíacos. Por outro lado, quem consegue praticar a respi­ração diafragmática oxigena melhor o san­gue, acalma a mente e relaxa o corpo.

Respirar pelo diafragma é importante, pois quando o ar é inspirado ele desce, favorecen­do a expansão do abdômen, e na expiração ele sobe, comprimindo os pulmões e ajudan­do na expulsão do ar. Esse tipo de respiração aumenta a capacidade dos pulmões, que pra­ticamente dobra, além da maior oxigenação no cérebro e em todas as partes do corpo.

Aprenda a alongar e relaxar. Reserve sua matrícula – uma ou duas aulas semanais. Início: outubro de 2016. Local: R. Benjamin Constant 271, Centro, Jundiaí, SP.

(Informações extraídas do site sautil.com.br) 

Artigo de Benê Camargo, massoterapeuta e profissional de Educação Física. Contato: 11-99850-7625

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica