Saúde

Caxumba: conheça a doença e como preveni-la

Comentário(s) 24 junho 2016

caxumbaCom casos recorde desde 2008 na cidade de São Paulo, a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) orienta a população sobre o que é a caxumba, transmissão e a prevenção.

“A caxumba é uma infecção causada por um vírus que causa inchaço das glândulas que produzem saliva (parótidas), que se localizam na frente das orelhas, logo acima da mandíbula. Quando infectadas, algumas pessoas sequer desenvolvem sintomas. Na maioria das vezes, entretanto, podem apresentar febre, mal-estar, cansaço, dor no corpo, dor de cabeça e diminuição do apetite. Em geral após dois dias do início dos sintomas é que começa a ocorrer o característico inchaço das glândulas parótidas”, explica Guilherme Bruno de Lima Júnior, médico de família e comunidade, membro da SBMFC.

Prevenção

A prevenção depende do diagnóstico precoce da doença na pessoa infectada, que deve permanecer isolada em casa por cinco dias do início dos sintomas. Ainda há a vacinação com a tríplice viral, antigamente conhecida como “MMR”. As pessoas que não receberam a vacina ou que receberam apenas uma dose e que tiveram contato com a pessoa doente, devem receber dose extra. Se a pessoa tiver dúvidas quanto a isto, deve procurar seu médico para saber se deve receber esse reforço.

Transmissão

A transmissão é realizada por meio de gotículas da respiração, contato direto ou com as roupas da pessoa contaminada. Depois de ficar exposta a um doente e ser infectada, os sintomas se iniciam ​após um período ​de 14 ​a​ 18 dias. A doença melhora espontaneamente em cerca de duas semanas. Raramente, pode provocar outras complicações mais sérias como inflamação dos testículos nos homens, ou dos ovários nas mulheres, podendo acarretar até infertilidade. Em casos mais raros ainda podem até causa infecções no cérebro e surdez.

Tratamento

Guilherme explica que não há tratamento específico para a doença. “Calor local sobre a área inchada por 10 a 15 minutos várias vezes ao dia ajuda a diminuir a dor, que também pode ser aliviada com analgésicos comuns, além da febre. Deve-se evitar a aspirina em menores de 18 anos. A pessoa deve permanecer em repouso durante o tratamento. Raramente nos casos mais graves, a pessoa deve ser hospitalizada. Quando estiver doente, se possível, a pessoa deve entrar primeiro em contato por telefone com o serviço de saúde, ou ser visitada em domicílio, para evitar contato com outras pessoas e espalhar a infecção”, explica.

 

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica