Saúde

Dormir bem faz bem pra saúde

Comentário(s) 26 maio 2015

O sono faz bem para a saúde. Noites bem dormidas proporcionam bem estar e evitam o aparecimento de doenças. É o que aponta estudo realizado pelo Centro de Transtornos do Sono da Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos. A pesquisa revelou que quem dorme cerca de sete horas por noite tem uma vida mais saudável do que aqueles que dormem muito tempo a mais ou a menos do que isso. Segundo os dados apresentados, aqueles que dormem mais ou menos estariam mais propensos a desenvolver doenças cardiovasculares.

Segundo o neurologista da Life Clínica, dr. Luis Eduardo Belini (CRM 135.815), é importante respeitar as necessidades fisiológicas de cada indivíduo. “O ideal são de sete a oito horas por dia, mas deve-se observar se as noites estão sendo suficientes para o descanso e qual a qualidade deste sono”, orienta.

De acordo com dr. Belini, a observação da qualidade do sono é importante pois uma noite bem dormida é fundamental para o desenvolvimento do sistema nervoso central, desde os primeiros anos de vida. É durante a noite também que gravamos as informações adquiridas, consolidando a memória. “Nesse período o organismo equilibra a produção de hormônios e substâncias químicas, prevenindo a obesidade, controlando a hipertensão e o diabetes, fortalecendo a memória, diminuindo o risco de doenças cardiovasculares, além de melhoras do desempenho físico, trabalho e humor”, afirma.

Isso porque existem quatro fases do sono e uma dificuldade em qualquer uma delas pode trazer prejuízos a curto e longo prazo. “Nas três primeiras fases o corpo economiza energia promovendo a restauração dos tecidos, aumento da massa muscular e liberação do hormônio do crescimento. Na fase REM é que há a consolidação da memória e do aprendizado. Quando o sono é interrompido a pessoa volta à primeira fase e o processo fica comprometido”, explica Belini.

A fase 1 corresponde a 10% da noite, momento de transição entre a vigília e o sono. A fase 2 corresponde a 45% da noite, onde há diminuição do ritmo cardíaco, respiratório, a temperatura corporal baixa e os músculos relaxam. A fase 3 corresponde a 25% da noite, quando o corpo funciona lentamente, o coração bate em ritmo lento e a respiração é mais leve. Já a fase 4, chamada de REM (Rapid Eye Movement), corresponde a 20% da noite e é quando ocorrem as descargas de adrenalina, picos de batimentos cardíacos e pressão artéria. Também é a fase dos sonhos.

Ocasionalmente, o sono pode ser interrompido por diversos fatores, mas quando as noites mal dormidas são constantes é preciso observar as reações do corpo para diagnosticar se a pessoa possui algum distúrbio que provoque interrupções frequentes. Como consequência às noites mal dormidas, o indivíduo pode apresentar irritabilidade, queda de concentração e piora das doenças pré-existentes como, por exemplo,  pressão alta, diabetes e obesidade.

Entre os distúrbios de sono mais comuns estão a apneia e a insônia. “A apneia é caracterizada pela diminuição e interrupção da respiração por, no mínimo, 10 segundos, fazendo com que a pessoa acorde várias vezes durante a noite. Já a insônia é reconhecida pela dificuldade em iniciar ou manter o sono, acordando repentinamente ou até mesmo passando as noites em claro”, explica Belini. O médico ainda comenta que há diversos outros distúrbios, e que, em função disso, cada paciente deve ser analisado individualmente, de acordo com os sintomas apresentados.

Há, no entanto, algumas dicas para quem está procurando por noites mais tranquilas. “O ideal é estabelecer uma rotina com horário regular para deitar e levantar todos os dias, não comer perto da hora de dormir pois o metabolismo diminui durante o sono fazendo com que o alimento vire gordura, chegar em casa três horas antes de deitar, parar de trabalhar duas horas antes de dormir, tomar um banho e relaxar. Algumas atividades deixam a mente acelerada, dificultando a chegada do sono. Também é importante não ultrapassar os 30 minutos de cochilo durante a tarde e não cochilar a noite”, orienta o especialista.

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica