Saúde

Endomentriose: desconhecimento dos sintomas agrava o problema

Comentário(s) 18 julho 2016

Endometriose

Comum entre as mulheres, a endometriose causa impacto direto na qualidade de vida e dificulta – muito – os planos de quem deseja engravidar. “O desconhecimento dos sintomas pode agravar o problema e trazer ainda mais prejuízos às mulheres, principalmente jovens que estão em idade fértil”, explica o ginecologista e coordenador do Centro de Endometriose do Hospital Santa Catarina (SP), dr. Alexander Kopelman.

O alerta do especialista vai ao encontro do levantamento da Sociedade Brasileira de Endometriose (SBE), que revela que mais de 60% das mulheres desconhecem os sintomas da doença. Kopelman explica que quanto antes for realizada a vistoria clínica, maiores serão as chances de tratamento. Exame de toque, histórico clínico do paciente, ressonância magnética e exames de ultrassom endovaginal especializado são algumas das formas de diagnosticar a endometriose.

Contar com o apoio de uma equipe multidisciplinar, segundo o médico, auxilia a tratar a doença com mais rapidez e assertividade. Seja endometriose leve ou profunda, é vital que a paciente conte com diferentes especialistas que trabalhem interligados. “Além do ginecologista, que coordena as diretrizes mais importantes para cada caso, contar com acupunturista, psicólogo, nutricionista e fisioterapeuta especializados no tema pode potencializar as chances de sucesso no tratamento”, diz ele.

Entendendo como a doença atinge as mulheres

O acúmulo de sangue menstrual na cavidade pélvica ocorre porque o endométrio (camada que reveste o útero) fica mais espesso todos os meses, e, quando a mulher não engravida, parte da menstruação, carregando essas células endometriais, percorre as tubas atingindo a pelve, próximo ao útero e ovários. É nessa hora que as células de defesa do organismo realizam uma espécie de faxina para remover as substâncias. No caso das mulheres com endometriose, o sangue não é totalmente eliminado e, consequentemente, se fixa nessa região, podendo atingir outros órgãos, como bexiga e intestino. No Brasil, estimativas revelam que de sete a 10 milhões de mulheres possuem a doença.

O problema, além de prejudicar a qualidade de vida e atrapalhar os sonhos de ser mãe, pode provocar fortes cólicas, dores nas relações sexuais, dificuldades para urinar ou defecar durante a menstruação, causar inchaços e dor abdominal.

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica