Saúde

Estresse x gastrite

Comentário(s) 20 setembro 2016

Caracterizada pela inflamação crônica na mucosa do estômago por uma bactéria chamada Helicobacter pylori e responsável por sintomas como sensação de dor na “boca” do estômago, náusea e/ou vômitos, estima-se que 70% da população do Brasil seja portadora da gastrite, de acordo com a Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG). Segundo o coordenador de diretrizes e protocolos da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED), Claudio Lyoiti Hashimoto, a gastrite não tratada pode comprometer a saúde.

“Dependendo do tipo de gastrite, se o causador da lesão gástrica não for retirado, como no caso dos medicamentos anti-inflamatórios e álcool, a situação pode se agravar bastante, resultando em outros males como úlcera, gastrite crônica, atrofia gástrica e até mesmo câncer”, explica ele.

Hashimoto ressalta também que existem situações em que é necessário realizar exames antes de começar o tratamento com remédios. “A endoscopia digestiva e o raio-X do trato digestivo são procedimentos imprescindíveis para avaliar o aparelho digestivo, entretanto somente a endoscopia pode coletar amostras para a realização de biópsias.”

Confira os mitos e verdades sobre a gastrite, de acordo com a SOBED:

A gastrite é hereditária.
MITO. A gastrite é uma condição adquirida, causada por infecção ou pela ação de agentes irritantes e não tem relação com hereditariedade. Por outro lado, alguns tipos de câncer de estômago podem ter influência da hereditariedade.

O estresse do dia a dia causa gastrite.
VERDADE com ressalvas. Situações cada vez mais comuns no cotidiano como estresse com o trabalho, preocupação com segurança, resultam em liberação de maior quantidade de hormônios do estresse (cortisol e adrenalina), que aumentam a secreção de suco gástrico e reduzem a defesa do estômago. Podem, portanto, acentuar os sintomas de quem já é portador de gastrite.

Existe cura para a doença.
VERDADE com ressalvas. As lesões agudas da mucosa gástrica, causadas pelo consumo frequente de álcool, uso prolongado de anti-inflamatórios ou até mesmo pela bactéria Helicobacter pylori podem ser reversíveis com a interrupção do fator irritante ou com a erradicação da bactéria. Entretanto, a gastrite crônica com evolução para atrofia e metalepsia é irreversível.

Leite ameniza a dor.
MITO. A ingestão de leite frio pode amenizar o desconforto de imediato, entretanto, o leite é um alimento rico em proteína e cálcio, que são potentes estimulantes da secreção de ácido pelo estômago. Portanto, pode até acentuar os sintomas de dor posteriormente.

Ficar sem comer pode estimular a gastrite.
VERDADE. Longos períodos de jejum podem acentuar os sintomas da gastrite, mas não necessariamente causar a doença.

Chiclete piora a gastrite.
VERDADE. O hábito de mascar chiclete e chupar balas estimula a produção de suco gástrico e, consequentemente, da secreção de ácido pelo estômago. Nesse caso, os sintomas de gastrite podem piorar, sem, contudo, ser a causa primária da doença.

Quem tem gastrite não pode tomar café nem refrigerante.
Verdade com ressalvas. O café contém cafeína e xantinas, estimulantes do sistema nervoso que acabam por produzir o ácido no estômago, havendo o risco de aumentar os sintomas de refluxo e dor, sem, entretanto, ser a causa da doença, mas fator de piora dos sintomas. Já os refrigerantes podem agravar os sintomas pelo seu efeito irritativo devido ao pH ácido, além de acentuar o desconforto e distensão abdominal devido à alta quantidade de gases.

 

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica