Saúde

Mitos e verdades sobre o consumo de leite

Comentário(s) 26 junho 2019

Tem dúvidas sobre o consumo de leite? Quer saber quais os tipos de leite que existem? Saiba o que é mito e o que é verdade quando o assunto é leite:

É verdade que existe uma quantidade mínima de leite para ser consumida por dia?
Verdade. O leite é o alimento fonte de cálcio que apresenta a melhor biodisponibilidade, sendo que aproximadamente 70% do cálcio dietético provêm do leite e produtos lácteos [19,20]. É possível obter fontes de cálcio na dieta sem o consumo de leite, mas a recomendação de ingestão diária deste mineral é elevada e difícil de ser alcançada sem o consumo de lácteos.  O ideal é que crianças de 1 a 3 anos consumam 700 mg de cálcio por dia. Já as de 4 a 8 anos, 1.000 mg. Dos 9 aos 18 anos, deve-se ingerir 1 300 mg do nutriente. A partir dos 19 até os 70, a meta volta aos 1.000 mg diariamente. E, finalmente, quem tiver 71 anos ou mais precisa aumentar a quantidade para 1.200 mg. Porém, essa já deve ser a quantia diária de mulheres a partir dos 51 anos.

Não consumir lactose ajuda a emagrecer?
Mito. Leites sem lactose continuam a ter carboidratos, agora na forma de glicose e galactose, que possuem as mesmas calorias que a lactose.

Existem pessoas que não devem consumir leite?
Verdade. O consumo não é recomendado quando a pessoa pode ter alergia ao leite ou quando tiver alguma doença que seja necessário a suspensão do leite na alimentação.

Existe um movimento que trata o leite como vilão e justifica o não consumo com o fato do ser humano ser o único “animal” que continua bebendo leite na vida adulta. Essa justificativa tem fundamento?
Mito. Nenhuma, não existe pesquisa científica que comprove isso. Ao contrário, o ser humano evoluiu graças a capacidade onívora, que consegue comer de insetos à animais (a produtos de origem animal). Foi graças a capacidade de domesticação dos animais que o homem garantiu sua evolução. O leite é consumido pelo ser humano há mais de 10 mil anos e só agora parece que algumas pessoas indicam que ele não deve ser consumido.

Existem vários tipos de leite?
Verdade. A classificação do leite provém do controle de rebanho e também das condições de higiene na ordenha e no local de pasteurização e envase. Temos os leites: A, A2, B, Pasteurizado, UHT e Sem Lactose.

Leite tipo A: Ordenha mecânica e controlada da própria fazenda. Pasteurização na própria fazenda. Bactérias: 500, no máximo, por ML. Necessita de refrigeração.
Leite tipo A2: Ordenha mecânica e controlada da própria fazenda. Pasteurização na própria fazenda. Proveniente apenas de vacas A2A2: o verdadeiro leite A2 só pode ser produzido a partir de gado que possui duas cópias do gene A2 no seu DNA. Não contém a proteína beta-caseína A1, responsável por sintomas de desconforto digestivo. Necessita de refrigeração. Não podemos falar em leite tipo A2. Não temos legislação para isso.
Leite tipo B: Ordenha mecânica e controlada de várias fazendas. Pasteurização em centros de pasteurização. Bactérias: 40 mil, no máximo, por ML. Necessita de refrigeração. Retirar.
Leite Pasteurizado: Ordenha manual ou mecânica sem a presença permanente de médico veterinário  proveniente de várias fazendas. Pasteurização em centros de pasteurização. Bactérias: 150 mil, no máximo, por ML. Necessita de refrigeração.
UHT (longa vida): Ordenha manual ou mecânica, proveniente de várias fazendas. O leite passa por tratamento térmico mais rigoroso (ultra alta temperatura), em que é aquecido a 145 graus por 5 segundos e acondicionado em embalagens cartonadas com várias camadas, por isso pode permanecer fora da refrigeração ate 6 meses.  Os processos acontecem em grandes centros de processamento. Não precisa de refrigeração.
Sem Lactose: é obtido a partir de um processo que se resume a deixar o leite em repouso para sofrer ação da enzima lactase, por um período de 3 a 4 horas (12 horas), em temperatura ambiente (refrigerado). A enzima lactase quebra a lactose em dois componentes: glicose e galactose. O leite sem lactose não tem perda de nutrientes. Ele apresenta o mesmo valor calórico, fornecimento de nutrientes, aminoácidos e vitaminas essenciais.

Existe diferença entre intolerância à lactose e alergia ao leite?
Verdade. Alergia à proteína do leite é uma resposta imunológica do corpo contra a proteína presente no leite, que pode ser de vaca, cabra, búfala etc. O organismo entende essa proteína como um agente estranho que precisa ser combatido e desencadeia reações alérgicas, como diarreia e urticária. Já intolerância à lactose é a ausência ou deficiência da produção da enzima chamada lactase, que serve para digerir a lactose – o açúcar natural do leite. Quando a lactose não é digerida e absorvida, então é fermentada por bactérias do intestino grosso, podendo causar flatulência e diarreia pontual.

O consumo de leite proporciona benefícios para a saúde?
Verdade. Ajuda na redução da pressão arterial, na prevenção da síndrome metabólica, do diabetes tipo 2 e principalmente da osteoporose. O leite também contém ácidos graxos essenciais provenientes da gordura do leite ao organismo que auxiliam na absorção das vitaminas A, D, E e K.

É verdade que quem sofre de diabetes não pode consumir leite?
Mito. Segundo os cientistas, a ingestão de produtos lácteos reduz o risco de síndrome metabólica – uma série de sintomas que aumentam a probabilidade de doenças cardíacas e diabetes. O leite e seus derivados constituem parte importante de uma dieta saudável, balanceada, e a recomendação é de consumir 2 a 3 porções de produtos lácteos por dia. Manter peso saudável pela dieta e pela atividade física são pontos vitais na redução do risco do desenvolvimento de diabetes tipo II. No entanto, por ser rico em glicose, o leite sem lactose só é indicado para diabéticos por recomendação médica ou nutricional.

É verdade que alguns fatores podem contribuir com o desenvolvimento da intolerância à lactose?
Verdade.
Os fatores são:

  • Idade: conforme os anos vão passando, a chance de diminuir a produção de lactase aumenta e pode contribuir com o desenvolvimento de intolerância à lactose;
  • Etnia: intolerância à lactose é mais comum em negros, asiáticos e indígenas;
  • Nascimento prematuro: bebês que nasceram prematuramente apresentam menos lactase no organismo porque a produção desta enzima aumenta somente no final do terceiro trimestre da gravidez;
  • Doenças: algumas condições que afetam o intestino delgado podem alterar a produção da enzima lactase, levando à intolerância à lactose, como a doença de Crohn.

É verdade que intolerantes a lactose poderiam consumir a quantidade diária recomendada de cálcio de outra forma?
Verdade.
Intolerantes à lactose podem consumir leite e lácteos sem lactose, facilmente encontrados no mercado. Aqueles que após alguns testes alimentares notarem que realmente não podem consumir leite e derivados (pessoas intolerantes ao leite), devem buscar as boas fontes de cálcio que não contenham lactose. É o caso da couve, gergelim, aveia e amêndoa. Veja abaixo os valores do mineral nos alimentos:
-Agrião (100g) – 133mg
-Couve manteiga refogada (100g) – 177mg
-Tofu (100g) – 81mg
-Lentilha seca crua (100g) – 54mg
-Aveia flocos (100g) – 48mg
-Ovo de galinha cozido (100g) – 49mg
-Gergelim (100g) – 825mg
-Amêndoa (100g) – 237mg

O leite em pó é recomendado? E qual a quantidade por dia?
Verdade.
O leite em pó é bastante utilizado na preparação de vitaminas, quando se tem maior necessidade de consumo de proteína. Mas vale salientar que ele deve ser consumido com moderação em função do valor calórico. Para obter o equivalente a um copo de leite in natura (200ml), deve-se misturar apenas duas colheres de sopa de leite em pó.

Diferentes tipos de leite apresentam diferentes valores calóricos?
Verdade. Os valores são:
* Leite integral (copo de 200ml)
Calorias: 128 calorias
* Leite semidesnatado (copo de 200ml)
Calorias: 102 calorias
* Leite desnatado (copo de 200ml)
Calorias: 66 calorias

É verdade que grávidas não podem tomar leite durante a gestação?
Mito. O leite é uma excelente fonte de cálcio, proteínas e vitaminas essenciais durante a gestação. deixando de fazê-lo somente por alergia a proteína do leite ou outros problemas decorrentes desta ingestão, casos raros na vida prática.

Leite ajuda na prevenção do câncer?
Verdade. Em termos de risco de câncer, laticínios e cálcio demonstraram tanto efeitos protetores quanto danosos. Mas os benefícios totais na saúde comprovados superam os danos não comprovados. As evidências sugerem que laticínios e cálcio têm papel protetor na prevenção do câncer colorretal.

Leite ajuda no combate da anemia?
Verdade. A ingestão de carne vermelha e leite fortificado podem combater os níveis diminuídos de ferro. Quando este mineral está em falta causa anemia. Se severa o suficiente, principalmente em crianças, pode retardar o desenvolvimento cerebral e mesmo resultar em problemas de comportamento e função cognitiva prejudicada. Lembrando que o leite sem ser enriquecido não é fonte de ferro.

O café tira as proteínas do leite?
Mito. Novos estudos demonstram que apesar de o café ter cafeína, ela não compromete a absorção do cálcio, pois possuem tempos diferentes de absorção. E que não compromete as proteínas do leite, garantindo a digestão e absorção das proteínas.

É verdade que leite hidrata?
Verdade. A hidratação com leite desnatado no pós-treino foi demostrada em estudos como muito eficiente para reidratar e na recuperação muscular.  O leite desnatado possui perfil de carboidratos e de sais minerais semelhantes aos repositores hidroeletrolíticos, mas a presença da proteína melhora o tempo de absorção e contribui na recuperação muscular. Leites com chocolate não são a melhor forma de hidratação por serem acrescidos de ingredientes que podem comprometer a digestão.

Edição 245

Junho 2019

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica