Saúde

Por que comemos em excesso?

Comentário(s) 28 agosto 2016

Elisângela Machado

Elisângela Machado

Milhares de pessoas pas­sam a vida procurando o que co­mer para emagrecer, mas não param para pensar porque real­mente comem. Estou comendo porque estou com fome, desejo ou vontade de comer?

Ao longo da vida per­demos a conexão com o porquê comemos e passamos a comer pe­las emoções. Comemos porque estamos tris­tes, estamos felizes, es­tamos agitados, esta­mos cansados. E então lá vem mais um pen­samento sabotador: “Eu mereço comer mais um pouco, só por hoje.” E assim comemos fe­rozmente para suprir as nossas emoções.

Comemos com a intenção de nos sentir melhor, comemos pensando na próxima co­lherada e não com a razão que deveria ser realmente a nossa intenção: comer porque estamos com fome.

Para melhorar os nossos hábitos e conse­guir perder peso precisamos quebrar esse comportamento e fazer as pazes com os ali­mentos, analisar as nossas emoções.

Devemos perguntar a nós mesmos: “Por que realmente estou comendo?” E assim nos conectarmos com a razão principal que nos faz comer, ou seja, comer para nos nutrirmos, comer quando estamos com fome.

O porquê comer está diretamente ligado ao que queremos comer. Se você come porque está triste ou agitado é pro­vável que o seu cérebro peça por carboidrato ou gordura, tais como cho­colate, pão, entre ou­tros. O contrário acon­tece se você come com a consciência de que re­almente está com fome e precisa se nutrir. Você come o mais saudável possível, come porque está com fome, come a quantidade necessária até o seu ponto de sacie­dade e não para suprir o fator emocional.

Será que não é o momento de diminuirmos o ritmo e nos conectarmos com a razão pela qual devemos comer? Entendermos as emo­ções que estamos alimentando e nos tornar­mos mais conscientes dessas emoções que nos impulsionam a comer?

Comece prestando atenção nos pensa­mentos, situações, lugares ou pessoas que fazem você sentir vontade, desejo por co­mida. Quais são essas emoções e situações que fazem você se sentir como se quises­se escapar?

Artigo de Elisângela Machado, psicóloga (CRP06/97754), especialista em obesidade e transtornos alimentares . Contatos: 11-96605- 4177, Facebook/ElisangelaMachadoPsicologa

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica