Saúde

Por que visitar o dentista a cada seis meses?

Comentário(s) 03 outubro 2015

Dra. Roberta Ruano Dallemole

Dra. Roberta Ruano Dallemole

Muitos pacientes já conhecem bem aquela tradicio­nal recomendação para que visitem o consultório odon­tológico com periodicidade semestral, no mínimo. En­tretanto, boa parte das pes­soas não entende a impor­tância dessa regularidade e, por isso, negligencia essa recomendação e deixa para procurar o dentista apenas quando surgem os problemas bucais. Para esses pacientes, é necessário destacar que a avaliação periódi­ca é o único método que garante o tratamen­to mais avançado que existe tanto na Odonto­logia quanto na Medicina: a prevenção.

Com visitas regulares ao dentista, é possí­vel que o profissional diagnostique proble­mas bucais ainda no início, garantindo que não se agravem, e identifique situações que favoreçam o desenvolvimento de novos pro­blemas, como higienização inadequada. As­sim, cáries, gengivites, periodontites e demais doenças dentárias têm a evolução estagnada e tratamento precoce, dispensando a neces­sidade de tratamentos mais profundos, como restaurações, tratamento de canal e extrações.

O câncer de boca é outra doença que pode ser diagnosticada precocemente caso o pa­ciente seja acompanhado com regularidade. A identificação de lesões pode ser feita muito antes de evoluírem para metástases, o que me­lhora significativamente o prognóstico, além de aumentar as chances de cura. Vale lembrar que esse tipo de câncer está entre os cinco ti­pos que mais acometem a população brasi­leira e tem relação direta com o tabagismo.

Outros tratamentos, como clareamento dentário e instalação de próteses, tornam-se mais duradouros quando acompanhados periodicamente pela dentista. Nesses casos, a manutenção evita que o paciente tenha de passar novamente pelo tratamento.

As crianças devem ir ao dentista mesmo antes do aparecimento do primeiro dente de leite, por volta dos seis meses de idade, para fazer uma avaliação de toda cavidade bucal, saber se tudo está desenvolvendo correta­mente, e seus pais recebe­rão as orientações de higie­nização (escovas e cremes dentais). Nessa fase, o den­tista também poderá ajudar em questões como o uso de chupetas e mamadeiras e atitudes a ser tomadas pa­ra amenizar o incômodo que os bebês sofrem nesta fase de erupção dos dentes. Após o nascimento do den­te de leite, a visita ao dentista é importante para minimizar a possibilidade de lesões de cárie nos dentes, bem como acompanhar o desenvolvimento da dentição, identificando de forma precoce o surgimento de desordens e más oclusões (quando não há um encaixe perfeito entre as arcadas dentárias), além de reforçar as orientações de higiene bucal. Quando a criança começa a crescer, a ida ao dentista torna-se importante para o contro­le e motivação da criança, já que escovar o dente pode ser uma tarefa muitas vezes in­conveniente para ela.

Muitos pacientes comentam “não estou sentindo dor, então está tudo bem com meus dentes”, mas aí que está o engano. Quando sentimos dor significa que o processo da cá­rie, da doença periodontal ou da disfunção de ATM (articulação têmporo-mandibular) já está avançado. Todas essas alterações que são encontradas enquanto pequenas podem ser tratadas com procedimentos mais con­servadores, que necessitam de menor custo e levam poucas visitas ao consultório odon­tológico. Adiar o tratamento odontológico muitas vezes resulta em necessidade de um tratamento mais extenso e complexo.

A prevenção é sempre o melhor caminho a seguir. E você já está com seu retorno agen­dado? Agende pelos telefones 11-4816-4811, 4805-2245.

Roberta Ruano Dallemole é cirurgiã-dentista (CRO-SP 113649), graduada pela UNICAMP e pós-graduanda em Odontopediatria. Atua como clínica geral e atendimento infantil e atende na Av. Dr. Olavo Guimarães, 87, Vila Arens, Jundiaí- SP.  E-mail: ruano.roberta@gmail.com

Edição 224

Setembro 2017

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica