Estética

Quatro dicas para diminuir o hábito de roer as unhas

Comentário(s) 28 outubro 2019

roer unhas

Ansiedade, estresse, nervosismo e até mesmo tédio ou fome são alguns dos motivos ligados à onicofagia – co­nhecido popularmente como o hábito de ro­er as unhas. É mais comum do que se ima­gina encontrar pessoas com esse vício. Um estudo publicado pela revista PubMed.com mostra que até 30% da população mundial, in­dependentemente da idade, sofre desse mal. O ideal é procurar um psicólogo para enten­der a raiz do problema, mas existem alguns mé­todos que auxiliam na diminuição. Ana Costa, artista que atende pela Singu , marketplace de beleza e bem-estar, separou algumas dicas. Confira:

- Manicure em dia

A prática de realizar a manutenção das unhas torna mais fácil abandonar o hábito de roê-las, porque o resultado fica tão boni­to que faz com que a pessoa pense duas ve­zes antes de acabar com todo o trabalho uti­lizando os dentes. Contar com uma manicu­re para cutilar, lixar e pintar as unhas pode descomplicar a situação.

- Esmaltes inibidores

Além do uso de produtos focados no for­talecimento das unhas, uma boa opção é uti­lizar esmaltes inibidores, os quais possuem um gosto amargo. Essa estratégia inibe a von­tade de colocar os dedos em contato com a boca e garante a saúde das unhas.

- Ajustar o tamanho

O desejo da maioria das mulheres é ter unhas compridas, porém, no início deste processo, o ideal é mantê-las cur­tas para evitar que elas quebrem e surja a von­tade de roer. “Um outro ponto importante é op­tar por um formato mais arredondado para evitar correr o risco de que as unhas lasquem”, pontua Ana.

- Unhas postiças ou em gel

Uma alternativa mais imediata é utilizar unhas postiças ou em gel. Essa opção garante a textura e comprimento almejados em pou­cos minutos e pode ser usada até a unha na­tural crescer e ganhar força. “O uso desses materiais traz um resultado ótimo, mas não é recomendado recorrer sempre a esses re­cursos”, acrescenta Ana.

Edição 249

Outubro 2019

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica