Saúde

Teste do pezinho: tire suas dúvidas

Comentário(s) 05 junho 2019

A coleta de uma pequena amostra de sangue do calcanhar do bebê é o suficiente para identificar a probabilidade do surgimento de algumas doenças metabólicas, genéticas ou infecciosas que causam danos à saúde e sequelas por toda a vida. Mas você sabe como funciona esse exame popularmente chamado de “teste do pezinho” e que é obrigatório no país? A pediatra do Hospital Edmundo Vasconcelos, Ana Paula Sakamoto, tira algumas dúvidas sobre o procedimento:

1. Qual a importância de realizar o teste?

O teste do pezinho, ou triagem neonatal, de acordo com a pediatra, é capaz de identificar recém-nascidos com alta probabilidade de apresentar algumas doenças metabólicas, genéticas ou infecciosas que podem causar problemas à saúde.

A médica lembra que o teste por si só não faz o diagnóstico, pois a maioria dos bebês não manifesta nenhum sinal ou sintoma nos primeiros dias de vida. Por isso, quando o resultado dá positivo é preciso realizar exames específicos, para então, confirmar o diagnóstico.

2. Quando deve ser feito o teste?

O ideal é que o teste seja coletado 48 horas após o nascimento do bebê, de preferência entre o terceiro e o quinto dia de vida. Este período, segundo a especialista, deve ser respeitado para aumentar o raio de identificação de doenças, já que nas primeiras horas de vida algumas enfermidades não são detectadas.

Assim como realizar o procedimento antes do tempo sugerido não é aconselhável, coletar depois deste período também. Ana Paula ressalta que isso pode atrasar as intervenções e o tratamento específico caso seja detectado algum problema.

3. A amamentação pode interferir no resultado?

Sim. De acordo com a especialista, é importante que a coleta seja feita após 48 horas de amamentação, pois a análise pode sofrer influência das alterações hormonais e metabólicas que naturalmente ocorrem com a transição da vida fetal para a vida pós-natal.

No caso da fenilcetonúria, doença que pode ser identificada no teste, é necessário que o bebê tenha recebido alimentação proteica, ou seja, leite materno ou fórmula láctea, por no mínimo 24 horas antes da coleta.

4. Por que o sangue é retirado do calcanhar?

A escolha por retirar as gotas do calcanhar é feita por ser uma região rica em vasos sanguíneos, tornando a intervenção menos dolorosa ao bebê.

5. Há diferentes testes de pezinho? Qual a diferença entre eles?

Atualmente existem quatro tipos de exames, e a escolha, como lembra Ana Paula, deve ser ponderada entre os pais e a equipe médica.

- Teste Básico: obrigatório por lei em todo país e disponível na rede pública. Neste tipo, são testadas as doenças: Fenilcetonúria, Hipotireoidismo congênito, Fibrose Cística, Anemia Falciforme e outras hemoglobinopatias, Hiperplasia Adrenal congênita e Deficiência de Biotinidase.

- Teste Ampliado ou MAIS: Neste procedimento está incluso o teste de todas as doenças do Básico, mais Deficiência de G6PD, Galactosemia, Leucinose, Toxoplasmose congênita.

- Teste Expandido ou SUPER: Compõe a triagem de 48 doenças – 10 doenças triadas no teste Ampliado mais 38 outras doenças.

- Teste para imunodeficiências congênitas (SCID e AGAMA): Detecta um grupo de doenças genéticas graves que se caracterizam pela não produção de células de defesa T e/ou B, nem de anticorpos protetores.

HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Hospital Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.000 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o primeiro lugar no Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar na categoria Saúde – Hospitais, conquistado por dois anos consecutivos, 2017 e 2018.

Edição 250

Novembro 2019

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica