Estética

Tudo sobre mamoplastia

Comentário(s) 07 maio 2018

Tem mulher que deseja aumentar os seios, outras querem reduzir, corrigir a assimetria, levantar ou reconstruir após um procedimentos de mastectomia (retirada da mama em decorrência do tratamento para combate ao câncer). Existem até os implantes de silicone para peitoral masculino. São diferentes técnicas que necessitam não apenas do desejo dos pacientes, mas, principalmente, da análise e recomendação de um cirurgião plástico.

A mamoplastia é um dos procedimentos estéticos mais procurados no mundo, segundo dados da International Society for Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS). No Brasil, de acordo com o último censo divulgado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), em 2016 foram realizados 1,4 milhão de procedimentos, sendo que as cirurgias de mama representaram quase 40% deste total.

Para o cirurgião plástico Newton Roldão, membro titular da SBCP e proprietário da clínica médica que leva seu nome, a cirurgia deve ser realizada somente quando a mulher possua o formato das mamas definido. “Geralmente isso acontece por volta dos 18 anos, porém cada caso é avaliado de forma específica e o importante é a paciente estar em boas condições de saúde”, diz.

O especialista explica abaixo como funciona cada técnica e como deve ser o pós-operatório para um resultado de qualidade.

Mamoplastia de aumento

São utilizados implantes de silicone para aumentar os seios ou restaurar o volume mamário perdido. Embora muitos fatores estejam envolvidos, o período de recuperação pós-cirúrgica geralmente é de 24 a 48 horas, seguido de um período de repouso de alguns dias. Provavelmente, o paciente sentirá dor e perceberá inchaço por algumas semanas. Exercício físico e atividades normais serão liberados seguindo orientação do cirurgião plástico. Os resultados são imediatamente visíveis. Com o tempo, o inchaço diminui.

Mamoplastia redutora

A cirurgia remove o excesso de gordura, o tecido glandular e a pele para atingir um tamanho de mama proporcional com o corpo e aliviar o desconforto associado com seios muito grandes.

No pós-operatório imediato, uma bandagem elástica ou sutiã podem ser usados para minimizar o inchaço e sustentar os seios. Apesar do inchaço inicial, já é possível visualizar uma grande redução no tamanho dos seios, porém os resultados finais são geralmente obtidos somente a partir de quatro a seis meses.

Mamoplastia reparadora

Também conhecida como mastoplastia, nesta técnica são tratadas as assimetrias mamárias acentuadas. A cirurgia corrige a diferença em tamanhos, formatos ou posição das mamas e/ou aréolas, mas o processo do procedimento irá depender da necessidade e do caso de cada paciente. Ou seja, pode-se colocar implante na mama menor, reduzir a mama maior, reposicioná-los, etc. Logo, tudo estará relacionado ao tipo de assimetria que exista e cada qual terá a aplicação de uma determinada técnica.

Mamoplastia reconstrutiva

Técnica é indicada para quem tem câncer de mama e é preciso retirar parte da mama ou completamente (a chamada mastectomia). O cirurgião refaz a mama e em muitos casos é necessário remover tecido de outras regiões do corpo (como costas, abdômen) para reconstruí-la. A colocação simples de um implante tem uma recuperação muito mais curta e segue normalmente as mesmas condições das demais técnicas que usam esse recurso. Porém, cada paciente tem uma indicação diferente de tratamento.

Mastopexia

Conhecida também como lifting (levantamento), o procedimento reposiciona a aréola e o tecido mamário, removendo o excesso de pele para compor o novo contorno da mama. Os resultados são imediatamente visíveis. Com o tempo, os seios podem continuar a mudar devido ao envelhecimento, mas os resultados permanecerão mais tempo se houver um estilo de vida saudável com o controle do peso.

 

Edição 235

Agosto 2018

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica