Saúde

Condromalácia patelar: verdades e mentiras

Comentário(s) 14 maio 2018

A superfície articular da patela (rótula) é revestida por uma grossa camada de cartilagem (hialina) – que normalmente desliza sem atrito durante as flexões da articulação do joelho. Mas em pessoas com problemas de desalinhamento, fraqueza muscular, atletas e obesos essa cartilagem trabalha sob sobrecarga, podendo apresentar fissuras, lesões e degeneração. Resultado: dores muitas vezes intensas crepitação (estalos) e insegurança ao se movimentar. A seguir, o médico ortopedista Riccardo Gobbi,  ortopedista especialista em cirurgia do joelho, esclarece cinco verdades e mentiras sobre essa doença também chamada de Síndrome Femoropatelar.

CONDROMALÁCIA PATELAR SÓ ATINGE PESSOAS SEDENTÁRIAS.

Mentira. A Síndrome Femoropatelar pode ocorrer em atletas de alto desempenho, que forçam muito os joelhos nos treinos em academias (agachamento, step etc.), e ainda em pessoas que estão bem acima do peso ideal. Esse tipo de dor também é comum em pessoas que passam muitas horas por dia sentadas com os joelhos dobrados na mesma posição.

CONDROMALÁCIA É MAIS COMUM EM MULHERES.

Verdade. De fato, as mulheres estão no grupo de risco da Síndrome Femoropatelar. Isto por conta de sua anatomia. Como a pelve é mais larga que a dos homens, geralmente seus joelhos são mais projetados para dentro, formando um X (valgo dos joelhos). Isso altera a dinâmica da articulação femoropatelar e gera uma sobrecarga relevante na região lateral da articulação. Além disso, outros fatores predisponentes como alterações no encaixe da patela com o fêmur são muito mais comuns em mulheres.

ATLETAS DE ALTO IMPACTO SÃO MAIS ACOMETIDOS POR CONDROMALÁCIA.

Verdade. Esportes de impacto, com desaceleração e mudanças de direção constantes, exigem muito da cartilagem patelar. Sendo assim, corredores, jogadores de futebol, vôlei, basquete e tênis estão vulneráveis ao comprometimento da cartilagem que reveste a patela – especialmente quando há desequilíbrio muscular e anatômico dos joelhos. Afastamentos para tratar dor no joelho são muito comuns.

QUEM TEM CONDROMALÁCIA NÃO PODE PRATICAR EXERCÍCIOS.

Mentira. Pacientes em tratamento de condromalácia patelar devem fazer controle de peso e fortalecimento muscular. Esse fortalecimento é muito importante para equilibrar a carga sobre os joelhos. Uma avaliação dos fatores relacionados à sobrecarga – quer sejam anatômicos, quer sejam dos exercícios – é fundamental para uma readequação individualizada das atividades, que pode ser temporária ou definitiva. Na maior parte das vezes, o tratamento adequado possibilita o retorno à atividade física desejada.

REPOUSO E ANTI-INFLAMATÓRIOS SÃO AS ÚNICAS OPÇÕES DE TRATAMENTO.

Mentira. Não podemos subestimar a importância de um repouso inicial durante o tratamento da Síndrome Femoropatelar. O reequilíbrio muscular e a readequação das atividades são muito importantes. Existem também recursos mais avançados que podem poupar o atleta de insistir nos anti-inflamatórios, diminuindo a dor de maneira significativa. É o caso da PST – Pulsed Signal Therapy. Esse tratamento é realizado com sessões diárias, durante nove dias, em que o joelho do atleta é submetido a pulsos eletromagnéticos para estimular ossos e tecidos moles. Estudo empreendido por nosso Grupo de Joelho do Instituto de Ortopedia e Traumatologia da USP avaliou 41 joelhos de 25 pacientes, sendo que alguns receberam tratamento placebo e outros seguiram o protocolo da PST. Aqueles tratados com PST apresentaram melhora da dor e dos testes funcionais após o tratamento – melhora essa que foi progressiva e se manteve por um período de até um ano depois de terminadas as sessões. O tratamento não é invasivo nem provoca dor ou desconforto nos pacientes.

 

Edição 231

Abril 2018

Confira as edições anteriores

© Jornal Mexa-se 2013 todos os direitos reservados.

io! Comunica