Jornal Mexa-se

27 de fevereiro 2020 às 15:41

CORONAVÍRUS: Dicas e cuidados para população e profissionais da saúde

Saúde

27 de fevereiro 2020

CompartilharCompartilhar

CORONAVÍRUS: Dicas e cuidados para população e profissionais da saúde

O Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso positivo do novo Coronavírus ( Covid-19) em São Paulo. Esse é o primeiro caso do vírus em toda América Latina, e tem gerado muitas dúvidas na população. 


Em ação, foi criado um protocolo pelo Ministério da Saúde, onde há duas possibilidades de o paciente ser considerado um caso suspeito. Na primeira opção, o paciente precisa apresentar febre, pelo menos um sintoma respiratório e ter viajado nos últimos 14 dias para uma área de risco. Já na segunda possibilidade, o paciente tem febre, pelo menos um sintoma respiratório e esteve em contato com pessoas que estiveram em áreas de risco. Nestes casos, o paciente passa por um primeiro teste, realizado no próprio hospital de atendimento, a partir de amostras de vias aéreas ou escarro. Caso o exame dê positivo para a doença, a pessoa passa por diagnóstico laboratorial, chamado de contraprova, em um dos laboratórios de referência, são eles: Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, no Instituto Evandro Chagas, no Pará e no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo.


Muitas pessoas são infectadas com outras cepas do Coronavírus, mas dificilmente apresentam complicações. Segundo o diretor médico da Amparo Saúde, Renato Walch, o termo "nova gripe" deve ser evitado, pois pode confundir ao associar com a Gripe (Influenza), que mantém a sua sazonalidade. "Em termos mais técnicos, se trata de um RNA-vírus, de ordem nidoviridae da família Coronaviridade, normalmente hospedeiro em mamíferos e aves (intermediário)". Ainda sob análise e estudo, o vírus pode ficar incubado por até 10 dias e, normalmente, atinge mais pessoas do gênero masculino, de 02 a 75 anos, com média de 45 anos.


Os sintomas comuns entre os pacientes infectados são: febre (geralmente alta), tosse e dispneia (falta de ar). Por se tratar de sintomas muitas vezes característicos de outras doenças, é levado em consideração o contato com pessoas com suspeita ou confirmação da doença em até 14 dias antes ou contato com pessoas que estiveram em região de surto 14 dias antes. Esse contato é feito por proximidade, de até 2 metros dentro de local fechado, ou com secreções. "É indicado internação em casos consolidados de alveolar (pneumonia) no exame de imagem, ou, ainda, sinais de alteração do estado mental e insuficiência Respiratória Aguda", reforça Walch.


Hospitais e clínicas têm passado orientações e implantado cuidados especiais. É o caso da Amparo Saúde, que produziu um material de apoio para toda equipe médica com detalhes específicos sobre o vírus, são eles: ficha de identificação, período de incubação, transmissão, exames que podem ajudar a identificar e pontos importantes de atenção. Além disso, uma lista de cuidados foi disponibilizada para os pacientes com o objetivo de evitar contágios:


Orientações para médicos:



  • Oferecer máscara cirúrgica para TODOS os pacientes com sintomas respiratórios (comuns);

  • Acomodar paciente em lugar isolado;

  • Paciente com máscara cirúrgica;

  • Equipe (mínima) que realiza o atendimento com Epi padrão;

  • Máscara N95 para quem for realizar procedimento com o paciente;

  • Notificação imediata de casos suspeitos (que obedeçam aos critérios).


Orientações para população:



  • Ainda não há vacina;

  • Orientar hidratação;

  • Evitar contato próximo com pessoas com quadro respiratório;

  • Orientar higiene das mãos;

  • Usar lenço descartável para higiene nasal e/ou tosse;

  • Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar;

  • Evitar compartilhar objetos de uso pessoal (talher, escova de dente, copo...);

  • Evitar ambientes fechados, não ventilados.