Jornal Mexa-se

07 de março 2020 às 07:00

Gripe ou coronavírus?

Saúde

07 de março 2020

CompartilharCompartilhar

 Gripe ou coronavírus?

A confirmação de mais um caso de um brasileiro contaminado por coronavírus, diagnosticado em território nacional, pode confundir a população e profissionais de saúde, alerta o sanitarista Alexandre Chieppe, diretor-médico da Medlevensohn, uma das principais distribuidoras de aparelhos, equipamentos e materiais de saúde do Brasil.

Segundo o especialista, os sinais e sintomas provocados pelo novo vírus confundem-se com os da gripe. Além disso, algumas autoridades têm descrito a infecção surgida na China como “mais uma gripe”. Com isso, pessoas podem confundir-se, apesar de ainda não haver casos de contaminação dentro do Brasil. A situação pode provocar uma corrida dos pacientes por auxílio médico e dificultar o atendimento daqueles que eventualmente tenham sido contaminados pelo Covid-19 e dos que de fato estejam com gripe. Por isso, é fundamental o diagnóstico correto e imediato da gripe, evitando o agravamento do quadro e até mesmo óbitos.

“Como a doença tem sintomas muito parecidos com os de uma gripe comum, como febre, tosse, coriza e dor de garganta, é importante que os hospitais consigam diagnosticar com precisão e rapidamente, inclusive para organizar eventuais quarentenas”. Nesse sentido, o médico sanitarista reforça a importância do uso de testes rápidos de influenza (gripe) para descartar casos provocados por este vírus.

“Tão importante quanto fazer o diagnóstico do coronavírus, que sequer tem tratamento, é fazer o diagnóstico da gripe, para a qual existem remédios disponíveis e bastante eficazes.

Cuidados para os profissionais de saúde

Sobre o atendimento aos pacientes que busquem ajuda nos hospitais e prontos-socorros com suspeita da doença, o médico sanitarista indica, além do uso de álcool em gel para desinfecção das mãos, a utilização do termômetro sem contato para aferição da temperatura.

“Em casos suspeitos, o profissional de saúde deve fazer o atendimento a esse paciente, medindo sua temperatura sem precisar tocar na pessoa, apenas com a leitura de raios infravermelhos, evitando assim o contágio de médicos e enfermeiras, já que uma das formas de contágio do Covid-19 é o contato com superfícies contaminadas, levando as mãos aos olhos ou à boca, por exemplo”, explica o diretor-médico da Medlevensohn.

Como se prevenir

Seja para evitar o contágio com o novo coronavírus ou mesmo com as gripes e resfriados, dr. Chieppe orienta que as pessoas tomem cuidados simples, como lavar as mãos com frequência (de preferência até a altura do punho), cobrir o nariz e a boca sempre que tossir ou espirrar, manter os ambientes bem ventilados e não compartilhar talheres, pratos ou copos. Também é fundamental vacinar-se contra a gripe.

Em função da chegada do coronavírus ao Brasil, o Ministério da Saúde antecipou o início da campanha de vacinação, para o dia 23 de março. Nesta primeira etapa, serão imunizados contra a gripe gestantes, puérperas, idosos e crianças até seis anos.

Os demais grupos específicos, como portadores de doenças crônicas serão imunizados posteriormente. Para estas pessoas, a vacina é gratuita na rede pública.