Jornal Mexa-se

11 de março 2020 às 06:00

O idoso, a família e a vida social

Saúde

11 de março 2020

CompartilharCompartilhar

O idoso, a família e a vida social

Para envelhecermos com qualidade é importante muita informação – em especial, para as famílias e grupos aos quais o idoso pertence.


Uma das maiores dificuldades na qualidade de vida do idoso é a vida em família e a vida social.


Filhos criados, novos núcleos familiares se formam e o idoso, anteriormente sempre muito ativo, prestativo e funcional, sofre mudanças no eixo da própria vida e na de todos que o rodeiam. Fica desprovido de função para o grupo social.


As funções de pais, educadores e provedores muda: passam a precisar de atenção e cuidados. Embora idosos ativos e produtivos sejam muito estimulados e olhados com admiração, passam a viver mais só, e a demanda de cuidados muda. Não apenas referente a grupos de pertencimento, mas também à função social.


Embora a longevidade e bons recursos tragam uma excelente qualidade de vida, é necessário ter carinho e cuidado. Perda da memória, diminuição da agilidade física e doenças leves ou crônicas muitas vezes contribuem para a perda de grande autonomia. É preciso olhar para as individualidades.


Nota-se a dificuldade, intolerância e incompreensão de pessoas que vivem em torno do idoso, possivelmente devido à falta de informação e conhecimento.


A incidência de depressão em idosos é comum e precisa ser olhada com atenção, pois afeta muitos processos mentais, por exemplo.


Se precisamos ter paciência quando uma criança está se desenvolvendo, por que não ter tolerância e paciência quando há perda de habilidades?


Creio que há muita dificuldade de lidar com o idoso por várias razões: vivemos em um mundo onde o ser bom, valorizar-se, saber cada vez mais é muito valorizado, e, portanto, não sabemos lidar com perdas. Nota-se uma sociedade intolerante com as limitações em muitos aspectos, inclusive com o idoso.


Em nossa cultura valoriza-se a habilidade física e o “fazer”, produtividade. Precisamos aprender a valorizar ensinamentos, a sabedoria. Podemos aprender observando, atentando para as necessidades e cuidando com carinho.


O trabalho com a família de idoso pode ser muito importante. Favorece a compreensão e a convivência mais consciente e respeitosa.


 


Por Eliete Celi Martini Orsi (CRP 06-15998-1), psicóloga.
Contato: (11) 4586-5625