Jornal Mexa-se

22 de março 2020 às 10:34

Como revitalizar a cútis na terceira idade

Estética

22 de março 2020

CompartilharCompartilhar

Como revitalizar a cútis na terceira idade

A pele é um dos primeiros órgãos a apresentar sinais de rugas, manchas e flacidez durante o envelhecimento humano. Isso ocorre pois, com o passar dos anos, a produção de colágeno - substância responsável pela elasticidade, firmeza e a hidratação natural da pele - é reduzida, e os danos causados pela exposição diária ao sol e a poluição se tornam mais evidentes.


Segundo a hairstylist, visagista e proprietária do salão Maison Rocha, Rosângela Rocha, o envelhecimento da pele pode ocorrer tanto por fatores genéticos, quanto por motivos extrínsecos, como a exposição solar, desidratação, má alimentação, estresse, poluição, entre outros. “É importante seguir uma rotina diária de cuidados para reduzir os danos. O ideal é utilizar produtos que estimulam a formação do colágeno e têm ação anti-idade, como os dermocosméticos que possuem em suas fórmulas antioxidantes e ativos como as vitaminas C e E, além de ácido hialurônico”, explica.


A profissional destaca que uma pele bem hidratada serve como uma barreira protetora, por isso, uma boa ideia é apostar em protetores solares com alta proteção UVA e UVB, além de tratamentos noturnos, grandes aliados contra as rugas e linhas de expressão. “Limpezas de pele também são ótimas para renovar o tecido e eliminar as células mortas. Esse tratamento, aliado a uma boa hidratação, garante um aspecto mais saudável e jovial para a pele”, observa.


De acordo com Rosângela Rocha, caso não seja protegida contra fatores externos, a pele pode apresentar os primeiros sinais de envelhecimento ainda na juventude. O problema é causado pela degradação das fibras de colágeno, que começa a ocorrer naturalmente a partir dos 25 anos de idade. “Por isso é tão importante que a prevenção tenha início cedo. É importante que os pais incentivem os filhos a usar o protetor solar diariamente para manter a pele protegida, e evitar consequências mais graves no futuro”, finaliza.