Jornal Mexa-se

29 de março 2020 às 06:00

As grávidas e o Covid 19

Saúde

29 de março 2020

CompartilharCompartilhar

As grávidas e o Covid 19

Há cerca de três meses, a jornalista e microempresária Leila Vieira recebeu a notícia que tanto esperava e que mudou sua vida para sempre: está grávida! Agora, ela e o marido, o advogado Luiz Roberto Veiga, esperam ansiosamente a chegada de Marina ao mundo.


Porém, preocupada em dar à luz dentro de um ambiente seguro, com assistência especializada, Leila se junta às milhões de mulheres de todo o mundo no universo questionamentos e dúvidas sobre como garantir que a gestação e o parto estejam seguros neste momento de enfrentamento contra o novo Coronavírus? Como se proteger do vírus e, principalmente, como proteger o bebê? O médico infectologista e consultor médico do Grupo Sabin, dr. Alexandre Cunha, responde às perguntas de Leila e de tantas outras gestantes que hoje enfrentam o desafio de viver este momento de felicidade e, ao mesmo tempo, aflição.


- As grávidas estão incluídas no grupo de maior risco de Covid 19?


As autoridades de saúde seguem realizando análises e pesquisas para entender os reais impactos da infecção por COVID 19 em grávidas. Ainda não há precisão dos dados analisados. O que podemos afirmar é que não há evidências de que elas estejam em maior risco de doença grave do que a população em geral. Porém, devido às constantes mudanças nos sistemas imunológicos, sabemos que as grávidas podem ser seriamente afetadas por muitas formas de infecções respiratórias. Então, agora, o mais importante é atentar às medidas de prevenção contra o novo Coronavírus e relatem possíveis sintomas (incluindo febre, tosse ou dificuldade em respirar) ao seu médico.


- Como garantir proteção à elas e aos bebês contra o vírus?


Grávidas devem tomar as mesmas precauções que a comunidade geral para evitar a infecção por COVID-19, adotando em suas rotinas as orientações médicas de lavar bem as mãos e com frequência; manter distanciamento com os outros e evitar ambientes com muita gente; evitar tocar nos olhos, nariz e boca; praticar constantemente higiene respiratória, ou seja, cobrir a boca e o nariz com o cotovelo ou o tecido dobrado ao tossir ou espirrar e descartar o material utilizado imediatamente.


Em caso de sintomas, procure atendimento médico o quanto antes e seguir as instruções da sua autoridade de saúde local. É importante ressaltar que gestantes e recém-nascidos devem comparecer às consultas de rotina, cercada de precaução. Sempre.


- O Covid 19 pode ser transmitido da gestante para o bebê (ainda não nascido) ou para o recém-nascido?


Ainda não é possível afirmar se uma mulher grávida com COVID-19 pode transmitir o vírus ao feto ou ao bebê durante a gestação ou no momento do parto. Até o momento, o que sabemos é que pesquisadores não encontraram o vírus em amostras de líquido amniótico ou leite materno.


- Quais os principais cuidados a serem adotados durante a gravidez e o parto?


Mulheres grávidas, infectadas ou com suspeita de infecção por COVID-19, têm direito assegurado a cuidados de alta complexidade antes, durante e após o parto. Isso inclui cuidados de saúde pré-natal, recém-nascido, pós-natal, intraparto e saúde mental.


As normas da OMS destacam que uma experiência de parto segura e positiva inclui: tratamento digno e com respeito; acompanhante de escolha presente durante o parto; comunicação direta e clara pela equipe de maternidade; estratégias apropriadas de alívio da dor: mobilidade no trabalho de parto, se possível, e posição de nascimento de sua escolha. Em caso de suspeita ou confirmação de COVID-19, os profissionais de saúde devem adotar todas as medidas de precaução para reduzir os riscos de infecção.


Mulheres grávidas e infectadas com o Covid 19 podem amamentar?


Sim. Mulheres com COVID-19 podem amamentar desde que sejam cumpridas as regras de segurança implementadas pelas autoridades de saúde, como higiene respiratória, durante a alimentação, usando máscara de proteção, se disponível; lavar bem as mãos antes e depois de tocar no bebê; limpar e desinfetar constantemente superfícies com as quais tiveram contatos.


Todos somos unânimes que o leite materno é o primeiro alimento natural para bebês e fornece toda a energia e nutrientes que a criança precisa, porém é muito importante destacar que em caso de sintomas graves de mães infectadas, é necessário adotar novas rotinas e práticas seguras para fornecer o leite. Isso inclui, por exemplo, relactação e receber doação de leite materno.