Jornal Mexa-se

06 de junho 2020 às 07:30

A importância do Teste do Pezinho

Saúde

06 de junho 2020

CompartilharCompartilhar

A importância do Teste do Pezinho

Dia 06 de junho é celebrado o Dia Nacional do Teste do Pezinho, exame feito a partir de sangue coletado do calcanhar do bebê e que permite identificar doenças graves como o hipotireoidismo congênito (a glândula tireoide do recém-nascido não é capaz de produzir quantidades adequadas de hormônios), a fenilcetonúria (doença do metabolismo) e as hemoglobinopatias (doenças que afetam o sangue - traço falcêmico e doença falciforme).

A dra. Loretta Campos, pediatra e consultora de aleitamento materno,  ressalta a importância do teste do pezinho que deve ser realizado previamente. "Ele deve ser feito principalmente até os sete dias de vida, porque algumas doenças podem levar a óbito caso não sejam detectadas de forma precoce", diz.

De acordo com a pediatra, o teste da bochechinha não substitui o teste do pezinho. "Apesar do teste da bochechinha fazer uma triagem de quantidade muito maior de doenças em relação ao do pezinho, ele não o substitui porque as doenças do teste do pezinho são muito mais prevalentes, enquanto as do teste da bochechinha são menos frequentes. Então, em termos de saúde pública, ele não seria uma opção."

Conforme explica a dra. Loretta, o teste da bochechinha geralmente não é recomendado por especialistas de forma preventiva como o do pezinho, e sim a partir de suspeitas levantadas durante o desenvolvimento da criança. "Para uma criança que, por exemplo, não ganha peso e tem dificuldades de crescimento, ele pode ser uma opção para fazer uma triagem dessas doenças mais raras".

Ela também afirma que seria interessante realizar os dois exames para espantar qualquer suspeita de início (tratar o que for diagnosticado o mais breve possível). Mas, como as condições identificadas pelo teste da bochechinha são mais raras, a médica recomenda fazer apenas o do pezinho enquanto não houver fatores que justifiquem o segundo teste.