Jornal Mexa-se

16 de junho 2020 às 08:00

Chegada do inverno é um alerta para pacientes asmáticos

Saúde

16 de junho 2020

CompartilharCompartilhar

Chegada do inverno é um alerta para pacientes asmáticos

Para pacientes com doenças respiratórias crônicas, a mudança climática pode representar um agravamento dos sintomas, especialmente em pessoas que não seguem o tratamento corretamente. Em 21 de junho, é celebrado o Dia Nacional de Combate à Asma, que esse ano traz um peso ainda maior com a pandemia da Covid-19, já que pacientes com a doença estão incluídos no grupo de risco. A condição ainda é bastante negligenciada pelos pacientes, mesmo com o alto número de hospitalização e mortalidade. O tratamento correto é essencial, especialmente durante o inverno, e permite uma vida normal e sem complicações.


Falta de ar, tosse, chiado e aperto no peito, despertar noturno e dificuldade para realizar tarefas simples são alguns dos sintomas da asma, uma das condições crônicas mais comuns do mundo. Segundo a Iniciativa Global contra a Asma (GINA, da sigla em inglês), essa doença respiratória é a quarta maior causa de hospitalização no Brasil, e cerca de seis pessoas morrem por complicações da doença por dia.


Dia 20 de junho marca o início do inverno no Brasil. Quando as temperaturas caem, o paciente asmático deve intensificar os cuidados e o tratamento, além de ficar atento aos fatores ambientais que podem desencadear uma crise. "O interessante seria o paciente seguir um tratamento regular contínuo para evitar que os sintomas se agravem a cada mudança de temperatura", afirma Rafael Stelmach, presidente da Fundação Pro Ar e médico pneumologista do Hospital das Clínicas.


De acordo com o especialista, existe um ciclo de doenças sazonais que afeta a população a cada mudança de estação. "Em abril e maio começam a surgir diversos tipos de vírus, alguns não tão conhecidos, e outros mais fáceis de identificar como a influenza A (H1N1). Esses vírus causam o agravamento ou a crise de uma doença pré-existente das vias respiratórias, o que provoca um aumento no número de internações ou consultas por esse tipo de ocorrência", diz o especialista.


Em preparação para esse período de aumento de infecções por vírus que causam doenças respiratórias, o Ministério da Saúde promove, anualmente, a campanha da vacinação. Porém, como essas vacinas protegem apenas contra vírus já identificados, pacientes com doenças crônicas como a asma e a DPOC, entre outras, precisam redobrar os cuidados para evitar o contágio pelo novo coronavírus.


"Pacientes crônicos requerem tratamentos diários e estão mais suscetíveis a complicações mais graves em caso de infecção pela Covid-19, por exemplo", afirma Stelmach. "O coronavírus é uma família já conhecida, porém, a Covid-19 é um novo vírus, maléfico, que acomete as partes mais profundas do pulmão", diz o médico.


O pneumologista explica que "a função do pulmão é tão importante quanto a do coração, pois ele faz a troca do gás carbônico pelo oxigênio que circula por todo corpo através do sangue. É aí que a Covid-19 pode se instalar e causar uma grande inflamação. E, como estamos falando da corrente sanguínea, o vírus pode chegar a outras partes do corpo e se alojar", completa.


Por isso, com a chegada do inverno é importante que pacientes diagnosticados com uma doença respiratória, como a asma, sigam seus tratamentos adequadamente. Segundo o dr. Rafael Stelmach, "muitas vezes as pessoas deixam de apresentar os sintomas em alguns períodos, mas isso não é motivo para descuido, pois o tratamento deve ser contínuo. Por isso, sem a interrupção do tratamento, principalmente no inverno, quando o clima fica seco e frio o que leva à irritação das vias aéreas, a chance de sofrer um agravamento da doença diminui", afirma.


Considerando o cenário de pandemia, o paciente asmático deve seguir todas as recomendações determinadas pelo Ministério da Saúde em caso de febre e sintomas respiratórios, além de ajustar o tratamento da asma, se necessário, conforme recomendações feitas pelo seu médico. Nos casos graves com febre alta e falta de ar, o paciente deve procurar serviço médico.