Jornal Mexa-se

06 de fevereiro 2021 às 07:00

Loira e lisa, pode?

Estética

06 de fevereiro 2021

CompartilharCompartilhar

Loira e lisa, pode?

Para desvendar os mitos e verdade sobre os procedimentos capilares e até onde os fios conseguem aguentar, o cabeleireiro Luigi Moretto explica porque essa combinação exige bastante cuidado para não sacrificar a saúde e a integridade dos fios.


Para o especialista, a ordem inicial é atender a tudo o que satisfaz em 100% quem segura os fios. Ou seja, se uma mulher não abre mão nem dos loiros e nem dos lisos, é preciso cuidar e entender como cada uma dessas químicas atua no fio para tomar a decisão com confiança. "O cabelo precisa ser estudado, já que a compatibilidade química depende muito dos procedimentos prévios que foram realizados antes", avisa.


Porque um cabelo com mechas pode sofrer mais com a progressiva?


O cabelo com progressiva pode oferecer uma certa resistência à mistura descolorante usada para fazer luzes já que ele cumpre o papel de encapsular o fio, criando uma película ao redor dele. "Com isso, o fio fica com uma aparência bonita por fora, mas que pode estar machucada por dentro, e isso pode até impedir a descoloração de chegar na cor desejada", alerta.


Fazer com segurança


Luigi ressalta que é essencial realizar um teste de mecha para ter certeza de que os cabelos vão aguentar todo o processo e que o resultado final, além de bonito, será saudável.


Cuidados diários


Os cabelos lisos e loiros demandam cuidados extras, como usar o shampoo e a máscara para combinar uma limpeza suave que faça um tratamento intensivo para o fio. Depois do banho, é essencial finalizar com um creme de pentear, que vai ajudar a selar os nutrientes na fibra para prolongar a durabilidade dos resultados.


Para as adeptas do secador e de outros aparelhos com alta emissão de calor, vale apostar em cremes sem enxague que ofereçam proteção térmica.


Principais danos


Um dos principais problemas causados pela combinação de procedimentos químicos é o ressecamento dos fios. "Por isso, é importante fazer hidratações com frequência utilizando produtos que reconstroem a fibra capilar a base de queratina, proteína e aminoácidos, além de um acompanhamento de perto com um profissional que entenda dos fios que foram submetidos às químicas", finaliza.