Jornal Mexa-se

03 de março 2021 às 07:00

Respirar pela boca traz danos à saúde das crianças

Saúde

03 de março 2021

CompartilharCompartilhar

Respirar pela boca traz danos à saúde das crianças

Respirar é uma função vital do corpo humano. Por meio da respiração o oxigênio é transmitido para as células, produzindo a energia necessária para o corpo se movimentar.  Por isso, respirar inadequadamente traz inúmeros danos à saúde que, a longo prazo, podem ser irreversíveis. “Ao abrir a boca para respirar, ocorrem adaptações nas estruturas e um desequilíbrio nas funções e no desenvolvimento craniofacial que comprometem as funções importantes como, por exemplo, a mastigação e deglutição”, explica Stella T. Faria Dumke, odontopediatra, ortodontista e ortopedista funcional dos maxilares.

Crianças são as mais afetadas pela síndrome do respirador bucal

A criança que respira pela boca possui algumas características inconfundíveis. “Lábios entreabertos, língua no assoalho da boca, narinas estreitas, palato oval ou inclinado, lábios e bochechas hipotônicas, lábio superior retraído, ombros caídos, crescimento craniofacial desarmônico com predomínio vertical, face alongada e dificuldades de atenção e concentração são comuns em crianças que não respiram pelo nariz”, elucida Stella.  

Os distúrbios respiratórios estão muito presentes nos primeiros anos de vida e podem impactar de maneira significativa nos anos iniciais de formação escolar. “Como o sono também é prejudicado pela ausência da respiração nasal, a criança geralmente dorme com a boca aberta, baba, ronca, tem pesadelos e acaba não conseguindo ter um sono restaurador. O resultado é a sonolência diurna e déficit no processo de aprendizagem, pois a concentração e atenção ficam comprometidas pelo cansaço”, pondera a odontopediatra.  

Diagnóstico e tratamento precoce são fundamentais 

Quanto antes o diagnóstico e o tratamento da síndrome do respirador bucal acontecer, maior é a chance da criança ter um desenvolvimento orofacial adequado e garantir sua qualidade de vida ao longo da vida. “O tratamento antes dos seis anos, realizado por um equipe multidisciplinar, devolve a respiração nasal à criança e pode colaborar para que o desenvolvimento aconteça de forma equilibrada”, finaliza Stella.