Jornal Mexa-se

21 de março 2021 às 07:00

Saúde mental na pandemia: como a prática de Kundalini Ioga pode ajudar

Saúde

21 de março 2021

CompartilharCompartilhar

Saúde mental na pandemia: como a prática de Kundalini Ioga pode ajudar

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) já competou um ano e ainda deixa marcas em todas as pessoas. No início, pela angústia do desconhecido e, agora, pela ansiedade para que tudo fique sob controle e chegue ao fim. Mas ainda com forte estresse causado pelo isolamento social prolongado e incertezas em relação ao futuro. Além disso, a tristeza por perder amigos e parentes queridos, ou até mesmo o sentimento de empatia por ver tantas pessoas sendo atingidas pelo vírus.


Quando os estímulos de estresse e ansiedade são contínuos, como vivemos ao longo dos últimos 12 meses, provocam uma hiperativação do organismo, fazendo com que o sistema imunológico fique frágil. E todo o trauma coletivo que estamos vivendo deixa marcas emocionais quase que irreparáveis, mas ao mesmo tempo nos faz refletir sobre nos colocar no lugar do outro, sonharmos com um futuro mais feliz, justo e com equilíbrio.


Para almejar esse futuro mais feliz, é importante sabermos lidar com a ansiedade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que entre um terço e metade da população mundial exposta à pandemia pode vir a sofrer algum problema psicopatológico caso não seja feita nenhuma intervenção de cuidado profissional.


Mas é possível, ao menor sinal de ansiedade ou angústia, aplicar algumas técnicas de meditação para que o corpo não sofra tanto impacto por essas emoções. Se permitir desconectar do que está fazendo por alguns minutos e dar uma pausa, tomar um copo de água com calma ou um chá quentinho, pode ajudar a relaxar.


Respirar da forma correta também ajuda e, aliada À técnica de ioga, pode fortalecer ainda mais a proteção ao nosso corpo. Confira três dicas da Daniela Mattos, professora de Kundalini Yoga, que são grandes aliadas para ajudar a aliviar o estresse e ansiedade e ainda fortalecer do sistema imunológico:


1 - Aprenda a respirar


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil 11,5 milhões de pessoas sofrem com depressão e até 2030 essa será a doença mais comum no país. De acordo com um estudo realizado em 2019, cerca de 20 mil brasileiros pediram afastamento médico no ano por doenças mentais relacionadas ao trabalho. Diante do panorama atual, a tendência é que essas questões se intensifiquem.


A primeira dica para não cair na estatística é aprender a respirar corretamente. Quando você trouxer o ar para dentro (inspirar), deixe a barriga crescer, o peito abrir e, assim, a clavícula subir um pouquinho. Note a breve pausa que ocorre, e comece a soltar o ar (expirar). A clavícula baixa, o peito contrai e puxe a barriga para dentro. Feche os olhos, foque no ponto entre as sobrancelhas e inspire. Outra ideia seria você abrir os braços, e quando você trouxer o ar para dentro devagar, suba os braços até as palmas das mãos tocarem lá em cima. Pause e solte o ar devagar, baixando os braços lentamente.


2 - Descubra uma nova respiração


A ciência de Ioga reconhece os 2 canais/rios energéticos (canais de prana, a energia vital) muito importantes são: ida e pingala. De uma forma bem simplista, o Ida - que termina na narina esquerda - corresponde à energia lunar, uma energia que te acalma e te tranquiliza. Já o Pingala - que termina na narina direita - corresponde a energia solar, uma energia que te desperta e traz vitalidade. Ou seja, se você respirar exclusivamente pela narina esquerda, você irá acalmar seu corpo e tranquilizar a sua mente. Respire pela narina esquerda por alguns minutos, como na dica acima, lentamente, tapando a narina direita com o polegar direito e deixe a mão esquerda descansando. Sinta o ar passando pelos três pontos: barriga, peito e clavícula. Deixe o ar fluir exclusivamente pelo canal Ida e sinta o efeito, três minutos é o suficiente.


3 - Aprenda a observar sua respiração


"A minha última dica é algo que eu faço até hoje utilizando a ioga para acalmar ansiedade! Ponha um alarme no telefone 3 vezes ao dia. Quando o alarme tocar, note como está a sua respiração. Veja se está rasa, se está afobada. Tome consciência da sua respiração e faça uma respiração lenta e profunda por 1 minuto, se possível. Aos poucos, você vai criar o hábito de observar a sua respiração e ficar consciente quando ela está rasa ou afobada", conta a professora.


Para finalizar, Daniela destaca a importância de reconhecer nossos limites. "Eu já tive vários momentos que precisei parar tudo e encontrar o meu eu, me equilibrar energeticamente. É importante encontrar o equilíbrio entre o que nutre o seu coração e o que o mundo ao seu redor pede. Então, busque válvulas de escape, pratique Ioga, ouça sua música preferida, faça uma caminhada e se reconecte com você", finaliza.