Jornal Mexa-se

20 de julho 2021 às 07:00

Atividades físicas e vida profissional: como encontrar um equilíbrio?

Esportes

20 de julho 2021

CompartilharCompartilhar

Atividades físicas e vida profissional: como encontrar um equilíbrio?

Uma pesquisa realizada pela empresa de aparelhos vestíveis Wearables mostrou que a prática de exercícios físicos diminuiu cerca de 20%. De acordo com os dados, as atividades ao ar livre, como corrida e esportes de força, foram as mais afetadas, apresentando uma queda de 13% a 55%. Exercícios que precisam de algum tipo de equipamento somam 86% em queda.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a qualidade de vida se escora em três pontos de bem-estar: físico, psicológico e sociocultural. Além disso, a prática dessas atividades é uma ótima estratégia para consolidar o aprendizado devido ao aumento da circulação sanguínea cerebral.

Para o diretor da Costa Teixeira Logistics, Marcos Teixeira, a imersão na rotina é prejudicial à saúde. "A realidade é que passamos boa parte da nossa vida trabalhando. Ficamos imersos na constante preocupação em conciliar a vida pessoal com a profissional, acumulando tarefas e movidos pelo imediatismo", aponta.

Na vida profissional, os gestores são figuras essenciais para cuidar do colaborador e auxiliá-lo a encontrar o equilíbrio. São o ponto de incentivo, sugerindo ações relacionadas, contribuindo para a motivação e pontuando os benefícios. Uma pesquisa realizada pela Gympass revela que empresas que oferecem a atividade física como um de seus benefícios possuem funcionários com a saúde em dia e podem reduzir em até 40% os atrasos e as faltas.

Marcos reflete sobre esses opostos como essenciais para diminuir os acidentes de trabalho. "A reflexão que podemos tirar desses dados é que devemos pensar na atividade física como um facilitador de processos. Todos precisamos desse impulso, desse nível de qualidade de vida e devemos expandi-la aos nossos colaboradores. Ao oferecer essa possibilidade, a empresa se mostra preocupada com seus colaboradores. Para um gestor, isso é essencial", completa.